O Baile do Menino Deus veio a público em 1983, e foi um ponto de convergência de uma pesquisa que se iniciara no começo da década de 70. Foi o sinal maior de um encontro fértil com Ronaldo Correia de Brito e Antônio Madureira: em nossas vidas, naquele momento, a estrela do Oriente brilhou. E continua a brilhar. Uma espécie de abertura de porta - para um universo poético mais amplo, onde a dimensão popular se alia a temas universais. Foi uma experiência lúdica juntar num mesmo patuá a brincadeira de prendas, a Lapinha, o pastoril, o Reisado e o presépio, em falas, cantigas e danças. Para mim foi também um resgate de memórias e vivências de minha infância rural."Viva o nascimento! Viva o Baile! Viva a vida!"